Arquivo mensal: novembro 2013

SALVE DO DIA – Vanessa Van Dyke

Imagem

SALVE DO DIA - Vanessa Van Dyke

Nosso SALVE de hoje não poderia ser diferente, vai para a linda Vanessa Van Dyke.
Essa mocinha de 12 anos teve que fazer uma importante escolha na escola onde estuda: ou alisava, cortava seus cabelos ou seria “convidada” a deixar a escola (sim, gente, expulsão). Ela se recusou a mudá-lo (o que me leva a deixar um grande Salve também aos pais dela, que a encorajaram a manter seus crespos com orgulho e amor).
“Houve pessoas que a provocaram por seu cabelo, e me parece que estão culpando-a por isso”, disse Sabrina, mãe da menina. “Vou lutar pela minha filha. Se ela quer usar o cabelo assim, ela vai mantê-lo assim. Há pessoas que podem pensar que usar o cabelo natural não é apropriado. Mas ela é bonita assim.”
Isso me entristece tanto que vou ser muito breve na reflexão do quão absurdo é essa situação. O cabelo da Vanessa é glorioso, sorte dela e sorte nossa também por tê-la como resistente. Vi alguns comentários em um site onde essa matéria estava noticiada em que algumas pessoas defendiam a posição da escola onde há normas que afirmam que “Os cabelos devem estar na cor natural e não devem ser uma distração”, porém o que está em questão não é um corte diferente e muito menos uma coloração inusitada, estão discutindo o cabelo NATURAL de Vanessa, é quem ela é!!!
Como uma educação pode ser baseada na exclusão, como se o problema fosse de quem é oprimido por ser diferente e não de quem é opressor e pratica bullying com todos os que não se encaixam em seu mundinho restrito e primitivo?
A conceituada revista americana EBONY lançou hoje a campanha #HappyAfroDay que seria um dia de celebração ao cabelo black e livre, em homenagem a Vanessa Van Dyke, internautas estão enviando fotos de seus cabelos mais lindos com essa hashtag… E aí? Vamos aderir? Por ela, daqui a pouco envio minha foto no instagram.

“Vanessa, you rock! Your attitude rocks, your parents rock and your hair ROCKS! Thank you for being an inspiration to other young people who may be struggling to have the confidence to be free, fly and Afro-fresh!”

Anúncios

Novo vídeo – projeto Iemanjá 2

Vídeo

Olá povo!!!
Já está no nosso canal do Youtube o novo vídeo, segundo do Programa Projeto Iemanjá. Nele eu falo dos progressos que senti no meu pixaim nesse mês e acrescento mais alguns produtos para potencializar ainda mais os resultados:

1- Bepantol Solução – misturo ao creme de hidratação (incrível)
2- Óleo tratamento Rodrigo Cintra (Inoar) – uso após a nutrição mecha por mecha e também para revitalização nas manhãs.
3- Creme para pentear TRESemmé Cachos perfeitos – Não curti muito não…

Assistam o vídeo e me digam o que acham. EM BREVE CRONOGRAMA BABY (para nossos pequenos).

Beijo pra todo mundo

“Não precisamos de um dia da consciência negra…” – Será?

Padrão

Sobre este cartaz que tenta deslegitimar o Dia da Consciência Negra (20 de Novembro), o que tenho a dizer:

1. Discursos “não precisamos” são verticalizados e arrogantes. Quem disse que não precisamos? Foram as organizações do movimento negro? Certamente não, porque muito lutaram para que o 20 de novembro fosse uma data de resgate da memória de Zumbi dos Palmares e, portanto, da própria resistência à escravidão. Afinal, lembrar Princesa Isabel é uma piada em termos de resgate da luta da população negra neste país.

2. A ideia de que exista algo chamado “consciência humana” é uma grande ficção, e nem diria que chega a uma utopia. Se não reconhecemos os privilégios que temos (e todos nós temos alguns, outros muitos), o lugar de onde falamos e o que sabemos ou não das lutas de outros grupos e pessoas, caímos neste conto de fodas de que existe uma consciência humana. E olha que eu sou humanista secular, faço parte de uma organização com este nome e tudo; entretanto, é preciso observar a história e as formas de funcionamento do poder.

3. O que a história nos ensina é que para esvaziar uma luta, você descaracteriza seus sujeitos e demandas, despersonifica suas especificidades e dilui pautas específicas em pautas genéricas. É assim que as formas de operação do poder (essencialmente econômico, que deriva para o político e midiático) conseguem esvaziar movimentos sociais, manifestações e reivindicações. E quando se tenta fazer isso pelo discurso desta imagem, não estamos ajudando mesmo. Estamos ignorando a história ao fazer isso. Ignorando movimentos por direitos civis e sociais em várias partes do mundo, o que as diversas ondas dos movimentos feministas nos legaram e do próprio movimento LGBT. Ou seja, quando não damos nome à opressão, aos oprimidos, aos opressores, às formas específicas de opressão, e às formas específicas de combatê-la, nós enfraquecemos esta causa. E o jeito mais comum (por isso clichê) de se fazer isso é apelando para uma consciência humana, uma empatia universal, um “humano global”. Nada disso existe.

4. Por fim, as formas de atuação política que temos no mundo não funcionam com um discurso de diluição das causas e de desejo de permanência da atenção sobre todas elas (o tal “365 dias do ano”). Quem protesta 365 dias do ano? Quem vai à Câmara Municipal, à prefeitura, ao Senado todos os dias? Quem faz isso para todas as causas? Todo mundo? Não, ninguém consegue. Há muita coisa a fazer no mundo. Por isso este discurso da “consciência humana” é política e historicamente insustentável, além de contribuir, na verdade, para a manutenção do status quo. Ninguém pode se apoderar (colonizar) das causas e pautas das pessoas que são diretamente afetadas por elas. A autonomia e o empoderamento têm de ser destas pessoas, e cabe a quem goza dos privilégios aos quais aqueles sujeitos não têm acesso, apoiá-las, aliando-se às lutas delas e compreendo que o protagonismo é delas. Então é prudente se questionar: os movimentos contra o racismo não querem esta data? Não querem visibilizar com maior ênfase, neste período, as pautas que têm?
(por Luiz Henrique Coletto- Vice presidente da LiHS – Liga Humanista Secular do Brasil, e branco… a quem possa interessarImagem)

Cuidando do cabelo de bebês- Lavagem

Padrão

Olá mamães de bebês e crianças pretas!

Foram muitos pedidos sobre cuidados com nossos pequenos que resolvi responder com uma categoria a parte aqui no Blog especialmente feita para eles. Aqui no “Meu Bebê Marrom” vamos trocar idéias sobre cuidados com nossos pequenos de 0 à 3 anos.

Eu e Ela

Nos EUA há produtos especialmente desenvolvidos para bebês crespos, muitas opções e empresas específicas trabalhando com produtos a base de ingredientes naturais e uma dessas empresas é a Cara B Naturals que tem o slogan e a propaganda mais fofa de todas “Children are always beautiful. Naturally.” (Crianças são sempre lindas. Naturalmente), eu realmente acredito nisso, portanto se você estiver procurando qualquer dica sobre relaxamento, alisamento, etc. Pode esquecer, Blog errado e … a propósito tomara que você não encontre (NÃO SE USA INTERVENÇÕES QUÍMICAS EM CABELO DE CRIANÇA).

Vamos começar falando sobre o dia de lavar o cabelo crespinho. Antes de lavar o cabelo do pequenos eu recomendo uma UMECTAÇÃO (deve ser feita com óleos vegetais naturais – gosto de usar óleo de coco ou azeite de oliva, tem que ser EXTRA VIRGEM), você deve passar o óleo por todo cabelinho, massageando o couro cabeludo uma hora antes da lavagem. Pode fazer como se fosse um cafuné. Esse cuidados vão agir naturalmente para segurar a hidratação natural dos cachinhos e minha pequena adora, mas mesmo que o seu não goste muito no começo, insista, tudo é hábito!!! E depois pode lavar normalmente.

A maioria dos produtos disponíveis no mercado para cabelos crespos são feitos para crianças acima de 3 anos, encontrei muito poucos produtos específicos que podem ser utilizados em bebês. Seguem as opções.

1- SHAMPOOS sem sulfato para crianças de 0 a 3 anos:  JOHNSON BABY (eles tem uma opção de shampoo para cabelos cacheados – mas eu prefiro o original), MAMÃE E BEBÊ (Natura), SAL DA TERRA (Castille – maravilhoso, mas meio caro), 2 EM 1 (Vyvedas).

2- Condicionadores: JOHNSON BABY, TÓIN ÓIN ÓIN (Natura), YAMASTEROL (creme amarelo, original – ótimo pois além de ter uma química super suave, não contém silicones insolúveis em água e é comprovado que não provoca alergias)

3- Leave in e creme para pentear: TCHOP TCHURA (Natura, spray desembaraçante), TÓIN ÓIN ÓIN (Natura), GEL DE LINHAÇA (você mesmo pode – e deve fazer, vale um vídeo, né?! Vou trabalhar nisso!), e abusar dos ÓLEOS NATURAIS (lembrando que os que você compra em farmácia NÃO são indicados porque não estão puros, você deve comprar em lojas de produtos naturais e estar atento! Leia o rótulo e fuja de 4 substâncias:

Óleo mineral (mineral oil)
Vaselina líquida (petrolatum)
Parafina líquida (paraffinum liquidum)
Silicone Insolúvel em Água
Elas fazem muito mal para todos que tem cabelos crespos e cacheados. Sobretudo os pequenos.
Espero ter cooperado e em breve mais novidades e dicas pra vocês aqui no blog.
Muito obrigada e beijos pra todo mundo.